Cannabis Medicinal CBD

Óleo de THC: Tudo sobre [O que é, tipos, efeitos e como usar]

COMECE SEU TRATAMENTO AGORA

Se você tem dúvidas sobre o que é o óleo THC, quais são os seus efeitos e como usar, continue a leitura. Esse artigo é um guia completo com tudo sobre este componente da cannabis.

A planta da cannabis possui diversos compostos químicos, tais como os fitocanabinóides, terpenos, ácidos graxos, flavonóides, dentre outros.

Os fitocanabinóides são componentes que possuem efeitos terapêuticos e os mais conhecidos e pesquisados pela classe médica e pela comunidade científica são o Tetrahidrocanabinol, conhecido pela sigla THC, e o Canabidiol, conhecido pela sigla CBD.

O óleo de THC é o produto que é usado pelos pacientes que procuram a cannabis em virtude de suas propriedades medicinais.

Ele pode ser utilizado na forma sublingual ou através de ingestão de cápsulas em gel.

O THC foi isolado pela primeira vez no ano de 1964 pelo renomado cientista Raphael Mechoulam e sua equipe, no Instituto Weizmann em Israel. Desde então vem sendo estudado e suas propriedades terapêuticas cada vez mais comprovadas, conforme restará demonstrado.

Os efeitos terapêuticos dos fitocanabinóides ocorrem em virtude das suas interações com o Sistema Endocanabinóide (SEC).

Descoberto no início da década de 1990, o SEC é responsável por regular e equilibrar os demais sistemas do organismo, atuando nos processos fisiológicos, cognitivos, em todas as atividades do sistema imunológico, dentre outras funções.

Assim sendo, o SEC é composto por:

Endocanabinóides – neurotransmissores endógenos, isto é, produzidos pelo próprio organismo. Os dois mais conhecidos e estudados são:

  • Anandamida (N- araquidoniletanolamida)
  • 2-AG (2- araquidonilglicerol) 

Receptores canabinóides – pertencem a uma grande e diversificada família de proteínas acopladas à membrana celular. Estes se dividem em:

  • CB1
  • CB2 

Logo, as propriedades terapêuticas do THC e dos demais fitocanabinóides vêm justamente da sua interação com o SEC, atuando na regulação e no equilíbrio de uma série de processos fisiológicos do nosso corpo, gerando homeostase.

Neste estudo denominado “A exposição ao THC é refletida na microestrutura do córtex cerebral e na amígdala de jovens adultos”, destacamos:

“O sistema endocanabinóide desempenha um papel crítico na regulação homeostática por meio de sua influência nos processos subjacentes ao apetite, dor, recompensa e estresse, e a cannabis tem sido usada há muito tempo para os efeitos modulatórios relacionados que fornece por meio do tetrahidrocanabinol (THC)”.

O que é óleo THC?

O óleo de THC é o produto que é usado por quem procura tratamento para diversos tipos de patologias através da cannabis medicinal. 

Produtos derivados de cannabis, utilizados com finalidade terapêutica e medicinal, são o resultado de um processo de extração realizado nos frutos da planta fêmea.

A tecnologia para realizar estas extrações está se tornando cada vez mais moderna e sofisticada.

Assim, uma extração pode ser feita sem a utilização de solventes, método em que nenhuma substância química é utilizada no processo, sendo realizada através de água e gelo ou calor e pressão.

A extração também pode ser feita com solventes. Neste método há a utilização de modernos equipamentos e de alguma substância química, como por exemplo, o álcool, CO2 ou butano.

Em ambas as formas de extração, o produto resultante contém todos os componentes da planta. Estes são os chamados produtos de espectro completo ou full spectrum.

Da mesma forma, existem métodos em se retira apenas um fitocanabinóide específico, isto é, o THC ou qualquer outro fitocanabinóide. Estes são os chamados produtos isolados.

Tais extratos ou produtos isolados podem ser posteriormente misturados a algum tipo de óleo vegetal ou animal comestível, resultando no chamado “óleo”, que é utilizado por ingestão em gotas ou através de cápsulas em gel.

Para que serve o óleo de THC?

Pesquisas científicas apontam que as principais propriedades do THC são: sedativa, analgésica, antiemética, estimuladora do apetite e antiinflamatória.

Assim sendo, médicos vêm utilizando o THC de diversas formas, uma vez que, seu conjunto de aplicações é muito grande. 

Em virtude de preconceito e desinformação, o THC foi por muito tempo tido como vilão em razão da sua propriedade psicoativa e da sua ligação ao uso recreativo da cannabis.

Acontece que este fitocanabinóide possui diversas propriedades terapêuticas e, quando utilizado nas dosagens corretas, separado ou conjuntamente com o CBD, pode ser muito útil medicinalmente sem causar alterações de consciência ou de percepção.

Dentre essas propriedades, elencamos a analgesia em pacientes com dor neuropática crônica (fibromialgia), o efeito antiemético (para controle de ânsias e vômitos), o estímulo do apetite (durante a quimioterapia) e a redução da espasticidade (distúrbio muscular) em portadores de Esclerose Múltipla.  

Vejamos estudos e pesquisas científicas que demonstram essas propriedades.

Este estudo intitulado “A analgesia com cannabis na dor neuropática crônica está associada à conectividade cerebral alterada”, teve como objetivo caracterizar as alterações funcionais do cérebro envolvidas na modulação do THC na dor neuropática crônica. Vejamos:

“Resultados: O THC reduziu significativamente a dor dos pacientes em comparação com o placebo. A analgesia induzida por THC foi correlacionada com uma redução na conectividade funcional entre o córtex cingulado anterior (ACC) e o córtex sensório-motor. Além disso, o grau de redução foi preditivo da resposta ao THC. (…)

Conclusão: Esses resultados sugerem que o ACC e o DLPFC, duas grandes áreas de modulação cognitivo-emocional, e suas conexões com as áreas somatossensoriais, estão funcionalmente envolvidos no efeito analgésico do THC na dor crônica. (….) Além disso, a conectividade funcional de linha de base entre essas áreas do cérebro pode servir como um preditor para a extensão do alívio da dor induzida pelo THC”.

Outra propriedade do THC é o seu efeito antiemético. 

O fitocanabinóide vem sendo utilizado com a finalidade de reduzir as náuseas e vômitos provocados pela quimioterapia aplicada nos tratamentos de câncer. Além disso, o THC também ajuda neste tipo de situação pois estimula o apetite.

Neste estudo intitulado “Canabinóides para náuseas e vômitos em adultos com câncer recebendo quimioterapia”, destacamos:

“A Cannabis tem uma longa história de uso medicinal. Os medicamentos à base de cannabis (canabinóides) são baseados em seu elemento ativo, delta-9-tetrahidrocanabinol (THC), e foram aprovados para uso médico. Os canabinóides podem ser uma opção terapêutica útil para pessoas com náuseas e vômitos induzidos por quimioterapia que respondem mal aos agentes antieméticos comumente usados ​​(drogas anti-enjoo).

(…)

Comparação com placebo as pessoas tiveram mais chance de relatar ausência completa de vômito (3 ensaios; 168 participantes;(…)) e ausência completa de náuseas e vômitos (3 ensaios; 288 participantes;(…)) quando receberam canabinóides em comparação com placebo”

No que diz respeito ao estímulo do apetite, o estudo intitulado “Efeitos da cannabis oral, fumada e vaporizada nas vias endócrinas relacionadas ao apetite e ao metabolismo: um estudo de laboratório humano, randomizado, duplo-cego, controlado por placebo”, constatou que:

“Dados anteriores sugerem que o uso de cannabis influencia a ingestão de alimentos, o apetite e o metabolismo, mas as pesquisas em humanos a esse respeito permanecem escassas. O presente estudo investigou os efeitos da administração de cannabis, por diferentes vias, nas concentrações periféricas de hormônios apetitivos e metabólicos em uma amostra de usuários de cannabis. Este foi um estudo randomizado, cruzado, duplo-cego e controlado por placebo. Vinte participantes passaram por quatro sessões experimentais durante as quais cannabis oral, cannabis fumada, cannabis vaporizada ou placebo foi administrada.

(…)

Em conclusão, a administração de cannabis neste estudo modulou as concentrações sanguíneas de alguns hormônios apetitivos e metabólicos, principalmente a insulina, em usuários de cannabis. Compreender os mecanismos que sustentam esses efeitos pode fornecer informações adicionais sobre o cruzamento entre os canabinóides e as vias fisiológicas relacionadas ao apetite e ao metabolismo”.

O estudo intitulado “Um estudo piloto dos efeitos da cannabis nos hormônios do apetite em homens adultos infectados com HIV”, constatou que:

“Justificativa: O sistema endocanabinóide está sob investigação ativa como um alvo farmacológico para o controle da obesidade devido ao seu papel na regulação do apetite e no metabolismo. Canabinóides exógenos como o tetrahidrocanabinol (THC) estimulam o apetite e a ingestão de alimentos. (…)

Objetivos: Aproveitamos a oportunidade oferecida por um ensaio controlado por placebo de cannabis medicinal fumada para dor neuropática associada ao HIV para avaliar os efeitos do THC nos hormônios do apetite grelina, leptina e PYY, bem como na insulina.

Métodos: Neste estudo duplo-cego cruzado, cada sujeito foi exposto tanto à cannabis ativa (THC) quanto ao placebo.

Resultados: Em comparação com o placebo, a administração de cannabis foi associada a aumentos significativos nos níveis plasmáticos de grelina e leptina e diminuições de PYY, mas não influenciou significativamente os níveis de insulina”.

Outra propriedade do THC está relacionada à redução da espasticidade nos pacientes portadores de Esclerose Múltipla. 

A espasticidade se manifesta nos pacientes como rigidez muscular e espasmos e está associada ao comprometimento funcional que pode exacerbar outros sintomas da Esclerose Múltipla.

Neste artigo intitulado “Sintomas de esclerose múltipla e gerenciamento de espasticidade: novos dados”, a eficácia e segurança do THC no tratamento da espasticidade são citadas em quatro ensaios de Fase III. Vejamos: 

A eficácia e segurança de 9-delta-tetrahidrocanabinol: canabidiol (THC: CBD) spray oromucoso para o tratamento da espasticidade de EM foram demonstradas em quatro ensaios de Fase III. Estudos observacionais e dados de registro subsequentemente confirmaram a eficácia e tolerabilidade do spray oromucoso de THC: CBD em condições de prática diária. Entre os pacientes que respondem ao tratamento, THC:”

Neste estudo intitulado “Efeito do tetrahidrocanabinol: canabidiol spray oromucoso nas atividades da vida diária em pacientes com esclerose múltipla com espasticidade resistente: um estudo retrospectivo e observacional”, observamos melhoras significativas na vida de pacientes, Vejamos:

“Objetivo: Examinar a evolução nas atividades de vida diária (AVD) em pacientes com espasticidade de esclerose múltipla durante o uso prolongado de tetrahidrocanabinol (THC): canabidiol (CBD) spray oromucoso.

Métodos: O comprometimento funcional foi avaliado retrospectivamente (antes do início do tratamento) e no momento atual por meio de uma pesquisa de AVD de 16 itens; os resultados foram comparados. (…)

Resultados: as AVD foram mantidas ou ligeiramente melhoradas com THC: CBD spray oromucoso ao longo do tempo de tratamento (média de 31,9 meses), incluindo melhora significativa em ‘ficar de pé’ (…) e tendências em outros itens. Melhorias significativas (…) com THC: spray oromucoso de CBD foram observadas em vários sintomas relacionados à espasticidade da esclerose múltipla. No geral, 96,9% dos pacientes usando THC: CBD spray oromucoso tiveram uma impressão global positiva de mudança durante o tratamento.

Conclusão: Neste estudo piloto, THC: CBD spray oromucosal manteve ou melhorou aspectos do funcionamento diário. Mais estudos em um estudo maior são necessários”.

Por fim, esclarecemos que as propriedades terapêuticas do THC não se esgotam nestas citadas nos estudos científicos que foram elencados.

Óleo de THC e óleo de CBD

Conforme dito anteriormente, THC e o CBD são os fitocanabinóides mais conhecidos e pesquisados tanto pela classe médica quanto pela comunidade científica.

Assim sendo, tanto o THC quanto o CBD possuem propriedades terapêuticas específicas, podendo ser utilizados em conjunto ou separadamente. 

As possibilidades terapêuticas para as quais o CBD foi testado e avaliado cientificamente são diversificadas e suas principais propriedades são: neuroprotetora, antiepiléptica, ansiolítica, analgésica e antiinflamatória.

Por sua vez, as principais propriedades do THC são: sedativa, analgésica, antiemética, estimuladora do apetite e antiinflamatória.

Quando utilizados conjuntamente, os dois fitocanabinóides podem tratar uma variedade maior de patologias. 

Porém, é importante ressaltar que a decisão sobre as possibilidades na forma de utilização deve ficar sempre a critério do médico, que irá avaliar sobre a conveniência e oportunidade de se prescrever de uma forma ou de outra.

Como utilizar óleo de THC

Uma das formas de utilização do óleo de THC é através da ingestão sublingual. Neste método, ocorre uma rápida absorção através da mucosa localizada embaixo da língua.

Outra forma de utilização é através da ingestão de cápsulas em gel contendo o óleo. Neste método, a absorção ocorre de forma um pouco mais lenta, porém seus efeitos ocorrem de uma forma mais prolongada.  

No que diz respeito à forma de utilizar os medicamentos (posologia), ou seja, o número de vezes e a quantidade a ser utilizada a cada dia, os médicos prescritores adotam a tática específica para a necessidade de cada paciente.

Esta situação ocorre porque, em virtude do citado sistema endocanabinóide, cada paciente reage de uma forma ao produto utilizado.

Logo, fica a critério do médico prescritor escolher a composição e forma do óleo a ser utilizado levando em consideração a patologia que será tratada e, posteriormente, a modulação da quantidade e periodicidade de acordo com a reação de cada paciente.

Como comprar óleo de THC

Para comprar óleo de THC, o paciente ou seu representante legal, quando este for menor de idade, precisa realizar o seguinte procedimento.

Primeiramente, o interessado precisa consultar um médico legalmente habilitado no Conselho Federal de Medicina (CFM).

Assim, o médico irá fazer uma avaliação clínica e orientar o tratamento adequado através da prescrição do produto indicado para cada caso concreto. 

Da mesma forma, o médico terá que preencher de forma correta a prescrição médica (Receita), documento necessário para dar entrada no procedimento de importação na ANVISA.

Após receber a Receita do médico preenchida da forma estabelecida, o paciente ou seu representante legal precisa solicitar a Autorização para importação junto ao site da ANVISA.

Caso esse procedimento seja feito atendendo corretamente todas as formalidades, a ANVISA emitirá uma Autorização para importação excepcional de produtos à base de cannabis.

Ao receber a Autorização, o paciente pode realizar a compra e importação do produto.

Conclusão

Concluindo, neste texto procuramos esclarecer sobre diversas informações a respeito do óleo de THC. 

Você ficou sabendo especificamente do que se trata, quais são os tipos, quais são os seus efeitos, quais são suas propriedades, como usar e como comprar.

A ReMederi pode auxiliá-lo em todas as fases necessárias para a compra do óleo de THC, quais sejam:

  • Indicação de médicos com experiência em Terapia com Cannabis medicinal
  • Simplificação da burocracia para a solicitação da Anvisa para compra do produto

Entre em contato através do nosso site:

COMECE SEU TRATAMENTO AGORA
blank

Autor

ReMederi

A Remederi é uma empresa brasileira de saúde, com a missão de promover qualidade de vida por meio do acesso a produtos, serviços e educação sobre Cannabis medicinal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress
remederi, anvisa

A REMEDERI preza pela saúde dos seus pacientes. Ancorados na transparência e lisura, estamos evoluindo para atender todas as regras sanitárias brasileiras da ANVISA e nos adequando à Portaria 344/1998 do MS e da RDC 96/2008, RDC 327/2019 e 660/2022.