Cannabis Medicinal

Insônia e como o Canabidiol pode te ajudar

COMECE SEU TRATAMENTO AGORA

A Associação Brasileira do Sono (ABS) informa que de cada três brasileiros, pelo menos um tem insônia.

Este distúrbio se caracteriza pela dificuldade em começar a dormir, manter-se dormindo, acordar antes do horário desejado ou não ter um sono restaurador.

As principais causas da insônia estão ligadas a fatores psicofisiológicos, como ansiedade, preocupações em geral, depressão e estresse.

Outras causas são as dores crônicas, uso de certos medicamentos, consumo de algumas bebidas ou alimentos, doenças respiratórias e reumáticas.

Como o Canabidiol pode ajudar com a insônia

Para enfrentar a insônia e desfrutar de uma boa noite de sono é necessário mudar alguns hábitos e pesquisas científicas vêm demonstrando que o Canabidiol (CBD) pode ser um importante aliado nessa batalha. 

A terapia de higiene do sono consiste na referida mudança de hábitos que ajudam o indivíduo a ter uma boa noite de sono. 

Alguns dos hábitos que devem ser adotados são:

  • Adotar horários regulares de sono, isto é, procurar deitar e levantar sempre no mesmo horário;
  • Evitar assistir televisão ou mexer em aparelhos eletrônicos por cerca de 2 horas antes de dormir;
  • Criar um local tranquilo e aconchegante para dormir, isto é, evitar luzes ou barulhos no quarto;
  • Praticar atividades físicas e evitar dormir durante o dia;
  • Evitar alimentos indigestos e bebidas com cafeína à noite, tais como, café, chá-preto, chá-mate, refrigerante e energéticos até cerca de cinco horas antes de dormir.

Além destes hábitos, o Canabidiol pode auxiliar consideravelmente na melhora do sono em virtude de algumas propriedades. Vejamos.

Primeiramente, o CBD possui efeito relaxante e ansiolítico e estas características auxiliam no combate à insônia, pois, como vimos, a ansiedade é uma de suas causas.

Isto fica claramente demonstrado neste artigo denominado “Canabidiol na ansiedade e no sono: uma grande série de casos”, cujos trechos são transcritos abaixo.

O canabidiol (CBD) é um dos muitos compostos canabinóides encontrados na cannabis. Não parece alterar a consciência ou desencadear um “barato”. Um aumento recente nas publicações científicas encontrou evidências pré-clínicas e clínicas que documentam o valor do CBD em alguns transtornos neuropsiquiátricos, incluindo epilepsia, ansiedade e esquizofrenia. As evidências apontam para um efeito calmante do CBD no sistema nervoso central.

(…)

A amostra final consistiu de 72 adultos apresentando preocupações primárias de ansiedade (n = 47) ou sono insatisfatório (n = 25). Os escores de ansiedade diminuíram no primeiro mês em 57 pacientes (79,2%) e permaneceram diminuídos durante a duração do estudo. Os escores do sono melhoraram no primeiro mês em 48 pacientes (66,7%), mas flutuaram ao longo do tempo. Nesta revisão de prontuário, o CBD foi bem tolerado em todos, exceto em 3 pacientes.

(…)

O canabidiol pode ser benéfico para transtornos relacionados à ansiedade. São necessários estudos clínicos controlados”.

Além disso, o CBD possui efeito analgésico e anti-inflamatório e estas características auxiliam no combate à insônia, pois, como vimos, a dor crônica é uma de suas causas.

Isto fica claramente demonstrado neste artigo denominado “Canabinóides e dor: novos insights de moléculas antigas”, cujo trecho é transcrito abaixo.

“A cannabis tem sido usada para fins medicinais há milhares de anos. A proibição da cannabis em meados do século 20 deteve a pesquisa sobre a cannabis. Nos últimos anos, há um debate crescente sobre o uso de cannabis para fins médicos. O termo ‘cannabis medicinal’ refere-se ao uso recomendado por médicos da planta de cannabis e seus componentes, chamados canabinóides, para tratar doenças ou melhorar os sintomas. A dor crônica é a razão mais comumente citada para o uso de cannabis medicinal. Os canabinóides agem por meio dos receptores canabinóides, mas também afetam as atividades de muitos outros receptores, canais iônicos e enzimas. Estudos pré-clínicos em animais usando abordagens farmacológicas e genéticas aumentaram nossa compreensão dos mecanismos da analgesia induzida por canabinóides e forneceram estratégias terapêuticas para o tratamento da dor em humanos. Os mecanismos do efeito analgésico dos canabinóides incluem a inibição da liberação de neurotransmissores e neuropeptídeos das terminações nervosas pré-sinápticas, modulação da excitabilidade pós-sináptica dos neurônios, ativação das vias inibitórias descendentes da dor e redução da inflamação neural”.

Importante ressaltar que um dos tratamentos convencionais para a insônia envolve a utilização de um grupo de substâncias chamado benzodiazepínicos, em virtude do seu efeito ansiolítico.

Acontece que os benzodiazepínicos possuem efeitos adversos e perigosos, conforme demonstrado neste texto

Assim sendo, quando estas substâncias são utilizadas com relativa frequência, possuem comprovadamente potencial de causar dependência química.

Da mesma forma, há também o desenvolvimento de tolerância, isto é, o indivíduo acostumado com a droga precisa aumentar gradativamente a dose ingerida para obter o efeito desejado.

Finalmente, outro grave problema ligado ao uso dos benzodiazepínicos diz respeito à possibilidade de overdose e morte em razão do seu uso inadequado.

Por todos estes motivos, o CBD se apresenta como interessante alternativa para o tratamento da insônia.

Caso você tenha se interessado, a equipe ReMederi pode te ajudar a encontrar um médico criteriosamente selecionado e especializado para o seu caso ou de familiar próximo. 

COMECE SEU TRATAMENTO AGORA
blank

Autor

ReMederi

A Remederi é uma empresa brasileira de saúde, com a missão de promover qualidade de vida por meio do acesso a produtos, serviços e educação sobre Cannabis medicinal.

Comentário (1)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress
remederi, anvisa

A REMEDERI preza pela saúde dos seus pacientes. Ancorados na transparência e lisura, estamos evoluindo para atender todas as regras sanitárias brasileiras da ANVISA e nos adequando à Portaria 344/1998 do MS e da RDC 96/2008, RDC 327/2019 e 660/2022.