Cannabis Medicinal

Cannabis medicinal pode ajudar na pandemia de Covid-19?

COMECE SEU TRATAMENTO AGORA

Situações recentes como a pandemia do Coronavírus têm dado ainda mais destaque para a importância de ter um sistema imunológico saudável. 

Existe uma interação complexa entre nosso ritmo circadiano, equilíbrio hormonal e sistema imunológico que precisa de um sistema equilibrado e saudável para prosperar. 

Quando um desses sistemas é desequilibrado, os outros podem falhar em operar em todo o seu potencial, levando a um efeito dominó em que sua função geral continua a declinar. 

Infelizmente, muitas pessoas com condições crônicas ou exposição crônica a fontes de inflamação podem ter um sistema imunológico comprometido.

E é por isso que no período que vivemos de uma pandemia de covid-19, entender como fortalecer a imunidade é bastante relevante.

Felizmente, existem muitas maneiras naturais excelentes de reforçar ou regular o sistema imunológico e combater os micróbios no ambiente. 

Por oferecer uma boa função de modulador do receptor de CBD, ou seja, fornecer um efeito de balanceamento ou amortecimento para uma resposta hiperativa do sistema imunológico, a cannabis medicinal pode ser usada como parte do conjunto de ações que podem ajudar a fortalecer o sistema imunológico, afirma o médico americano Thomas Macsay, em entrevista exclusiva ao time da ReMederi.

Porém, vale destacar que não há qualquer comprovação científica ou estudo que afirma que a cannabis medicinal pode ajudar de alguma forma durante a pandemia de covid-19.

Mas antes de nos aprofundarmos nas especificidades de como a cannabis medicinal, ou CBD, afeta o sistema imunológico, precisamos primeiro entender melhor o que é o sistema imunológico.

O que é o sistema imunológico?

Segundo o médico americano Thomas Macsay, o sistema imunológico protege os organismos dos agentes infecciosos do ambiente que são capazes de romper as barreiras físicas do corpo, como a pele, o revestimento mucoso do trato digestivo ou o revestimento mucoso das vias aéreas. 

“É composto principalmente de glóbulos brancos, timo, baço, sistema linfático e todos os sinalizadores químicos que trabalham em coesão para defender adequadamente o corpo. 

Existem vários tipos diferentes de glóbulos brancos e células fagocíticas que serão ativados em resposta a diferentes tipos de produtos químicos ou infecções no corpo, mas isso é outra história. 

O aspecto mais importante aqui é que essencialmente toda a “comunicação” do sistema imunológico se baseia em mensageiros ou sinais inflamatórios, o que significa que as próprias respostas imunes são inerentemente inflamatórias por natureza. 

O sistema imunológico possui dois sistemas distintos, o sistema imunológico inato e o adaptativo, respectivamente, fornecendo respostas imediatas aos micróbios e proteção a longo prazo contra agentes infecciosos aos quais o corpo já foi exposto anteriormente. Eles se comunicam e trabalham em uníssono para frustrar continuamente os esforços de quaisquer micróbios que possam estar tentando encontrar um novo lar no corpo.

O sistema imunológico inato fornecerá uma resposta inespecífica imediata a um agente infeccioso que pode penetrar no corpo e, por sua vez, ativará o sistema imunológico adaptativo que demora um pouco mais a entrar em ação.

O aspecto não específico significa que, independentemente do que Quando o patógeno é apresentado ao sistema imunológico, ele lança uma cascata química inflamatória maciça, ativando os glóbulos brancos (células T) e outras respostas químicas relacionadas ao sistema imunológico, trazendo toda a atenção do sistema imunológico para a área sob ataque.

Nosso sistema imunológico inato acabará apresentando componentes desse agente infeccioso aos receptores das células B como parte do sistema imunológico adaptativo, desencadeando um reconhecimento de padrões em todo o corpo, permitindo que ele desenvolva uma memória celular do agente infeccioso. 

O reconhecimento de padrões nas células B é o que permite ao sistema imunológico distinguir as células do corpo de quaisquer células e produtos químicos estranhos. 

Com o tempo, permite que o sistema imunológico adaptativo se desenvolva, com o tempo se tornando mais eficaz e específico em sua capacidade de produzir uma resposta contra os mesmos micróbios na próxima vez em que entrar no sistema.

É assim que a imunidade é estabelecida naturalmente contra coisas como varicela e até a gripe ou por meio de vacinas, o que por sua vez levará o vírus a evoluir em um esforço para superar a resposta imune adaptativa que foi construída contra ele.

Às vezes, pode ficar um pouco confuso e o corpo começa a se reconhecer como uma ameaça ou pode até sentir falta de agentes infecciosos que se esconderam dentro das células, levando a doenças autoimunes e imunodeficiência.

Felizmente, o desenvolvimento da higiene e da medicina moderna ao longo da história impediu muitas pessoas de serem tão suscetíveis a doenças infecciosas quanto os humanos uma vez, mas ainda é preciso muito trabalho e atenção para manter o sistema imunológico em um estado saudável e equilibrado. 

É por isso que fornecer suporte imunológico adequado em sua rotina diária é extremamente importante. 

Coisas como comer uma dieta equilibrada rica em vegetais orgânicos, beber muita água, obter quantidades adequadas de sol, muito sono e algum exercício, farão maravilhas para o sistema imunológico.

Obviamente, com o avanço dos cuidados médicos e o acesso a formas alternativas de tratamento, as pessoas agora têm uma ampla variedade de tipos de plantas para escolher. 

Felizmente para todos, as evidências científicas que sustentam as plantas como um tratamento seguro e eficaz para várias doenças continuam a crescer. 

Com esse crescimento, o CBD tornou-se uma das moléculas de plantas mais examinadas com a explosão do mercado e a legalização do CBD nos Estados Unidos e no mundo, e está ficando claro que pode oferecer uma ferramenta poderosa para combater o sistema imunológico”.

Como a cannabis medicinal afeta o sistema imunológico

blank

O nosso organismo produz seus próprios canabinóides que são conhecidos como endocanabinóides, além de também possuir receptores para interagir diretamente com eles.

Os dois endocanabinóides mais relevantes são a Anandamida (N-araquidoniletanolamida) e o 2-araquidonilglicerol (2-AG).

Por sua vez, os dois receptores canabinóides mais importantes do corpo são aqueles mais densos no cérebro e na medula espinhal, estamos falando dos receptores CB1 e os receptores CB2.

Os receptores CB1 estão localizados em todo o corpo, com maior expressividade no sistema nervoso central (SNC), em regiões como hipocampo, gânglios basais e cerebelo.

Estão associados à dor, percepção sensorial, memória, cognição, emoção, hormônios, apetite e metabolismo.

Os receptores CB2 são encontrados principalmente no sistema imunológico de zona periféricas, como baço, amígdalas e timo, mas também nos músculos e ossos.

Neste artigo publicado pelo Serviço de Metabologia e Nutrologia do Instituto Estadual de Diabetes e Endocrinologia (IEDE/RJ), cujo título é “O Sistema Endocanabinóide: Novo Paradigma no Tratamento da Síndrome Metabólica”, encontramos referência sobre os dois receptores: 

“Os receptores canabinóides pertencem à superfamília dos receptores de membrana-ligados-a-proteína G (GPCR; G-Protein-Coupled-Receptor) (5,13). A ativação desses receptores, tipicamente, inibe a adenilatociclase com conseqüente fechamento dos canais de cálcio, abertura dos canais de potássio e estimulação de proteínas quinases. O CB1 é o mais abundante receptor GPCR no cérebro, expresso predominantemente nos neurônios pré-sinápticos, mas também se encontra presente no sistema nervoso periférico (6). De fundamental importância para o conhecimento médico é entender que os agonistas endógenos e os receptores CB1 se expressam em vários outros órgãos da periferia (tabela 1). Atenção especial deve ser dada à sua presença no tecido adiposo. Já os receptores CB2 estão presentes nas células do sistema imunológico (5,6). Há evidências farmacológicas e fisiológicas sugerindo a existência de outros subtipos de receptores, ainda não clonados (5)”. 

A relação entre os endocanabinóides, seus receptores canabinóides, enzimas metabolizadoras e pelo transportador membranar é que formam o chamado Sistema Endocanabinóide.

Assim sendo, esse sistema é uma rede notavelmente complexa, com efeitos disseminados por todo corpo humano.

Por sua vez, o sistema imunológico foi definido neste livro  “Conceitos e Métodos para a Formação de Profissionais em Laboratórios de Saúde”, como:

“O conjunto de células, tecidos, órgãos e moléculas que os humanos e outros seres vivos usam para a eliminação de agentes ou moléculas estranhas, inclusive o cancer, com a finalidade de se manter a homeostasia do organismo. Os mecanismos fisiológicos do sistema imune consistem numa resposta coordenada dessas células e moléculas diante dos organismos infecciosos e dos demais ativadores, o que leva ao aparecimento de respostas específicas e seletivas, inclusive com memória imunitária, que também pode ser criada artificialmente, através das vacinas”.

Os fitocanabinóides são aqueles de origem natural, isto é, substâncias extraídas da planta Cannabis Sativa.

Atualmente já existem identificados cerca de 400 deles, cada um com suas características e diferentes propriedades. 

Os mais conhecidos e estudados são o Canabidiol – CBD e o Tetrahidrocanibinol – THC.

Em artigo publicado no site do Centro de Excelência Especializado em Medicina Canabinóide, esclarecem que: 

O sistema endocanabinóide, ou ECS, é uma rede de sinalização notavelmente complexa, com efeitos disseminados no corpo. De fato, muitos estudos foram publicados examinando os efeitos de vários componentes do ECS no apetite, saúde metabólica, regulação de açúcar no sangue, obesidade, dor, estresse, termorregulação, saúde ocular, humor, memória e muito mais.

No entanto, uma aplicação terapêutica particularmente interessante do ECS é o seu efeito sobre o sistema imunológico, ou o que alguns cientistas chamam de modulação “imuno-canabinóide”. Em termos simples, o ECS pode ajudar a regular ou variar as propriedades, o tom e a função geral do sistema imunológico”.

Mais adiante, concluem que:

“Vários fitocanabinóides da cannabis, mesmo dentro do cânhamo agrícola, estão mostrando um enorme potencial para otimizar e restaurar o equilíbrio o sistema imunológico. Em última análise, a compreensão da intricada plasticidade dos compostos canabinóides, dos receptores canabinoides e das enzimas que os sintetizam, hidrolisam e metabolizam, e da complexa conversa cruzada que existe com outros sistemas orgânicos no corpo, sem dúvida reescreverá os livros médicos em todo o mundo”.

Logo, evidências científicas vêm demonstrando que os fitocanabinóides possuem um enorme potencial para atuar positivamente no sistema imunológico.

Segundo o médico Dr. Thomas Macsayo CBD fornece uma ferramenta eficaz no combate a muitos padrões inflamatórios crônicos e sinalização hiperativa, presentes em muitos processos de doenças e disfunções imunológicas. É capaz de conseguir isso através da regulação positiva do sistema endocanabinóide, que visa regular a função celular e diminuir a sinalização inflamatória, aproximando o corpo da homeostase.

“Com o sistema imunológico sendo uma parte vital e intrincada do corpo humano, é fácil ver como o CBD pode ajudar a regular as respostas imunes inatas e adaptativas e trazer paz ao sistema como um todo”.

Mais adiante o médico norte americano conclui:

“O CBD atua como um agente imunossupressor, intimamente ligado à sua atividade anti-inflamatória, que ajuda a regular negativamente as respostas imunológicas ou autoimunes hiperativas que desempenham papéis proeminentes nos processos de doenças, como esclerose múltipla, diabetes, asma, artrite reumatóide e muitos cânceres ou condições malignas (5) O CBD é capaz de alcançar a imunossupressão, ligando os receptores CB2 que são encontrados em muitas células do sistema imunológico, causando diretamente a morte celular, inibindo a proliferação/recriação, diminuindo os sinalizadores químicos imunes e regulando as células reguladoras T.

Também demonstrou-se que o CBD atua como um modulador para o sistema imunológico, permitindo migração adequada, mensagens químicas aprimoradas e maturação normalizada de células imunes, deslocando o equilíbrio de células inflamatórias para células anti-inflamatórias. Isso é conhecido como equilíbrio Th-1 a Th-2, com Th-1 sendo anti-inflamatório e, quando desequilibrado, leva a uma super reatividade crônica ao meio ambiente e também impede que os indivíduos combatam adequadamente infecções crônicas que podem ser presente no corpo (4).”

Como se prevenir do Coronavírus

O Ministério da Saúde publicou em seu site uma série de atitudes que ajudam a evitar a contaminação, tais como:

  • Lavar as mãos com água e sabão ou use álcool em gel.
  • Cobrir o nariz e boca ao espirrar ou tossir.
  • Evitar aglomerações se estiver doente.
  • Manter os ambientes bem ventilados.
  • Não compartilhar objetos pessoais.

Além destas atitudes, é muito importante que a população tome providências para melhorar seu sistema imunológico, pois isso ajudará a prevenir doenças causadas pelos diversos tipos vírus. 

Os fitocanabinóides e o Sistema Endocanabinóide estão diretamente envolvidos na manutenção do equilíbrio do sistema imunológico.

O neurocirurgião Pedro Pierro, médico prescritor de Cannabis medicinal, fez a seguinte declaração para o site Sechat:

“O canabidiol e a maioria dos canabinoides podem ajudar a reforçar o sistema imunológico como um todo, mas não como tratamento para o coronavírus e também não há qualquer tipo de indicação médica nesse momento”

Fontes:

  1. Dr. Thomas Macsay
  2. Weiss, L., Zeira, M., Reich, S., Har-Noy, M., Mechoulam, R., Slavin, S., & Gallily, R. (2006). Cannabidiol lowers incidence of diabetes in non-obese diabetic mice. Autoimmunity39(2), 143-151.
  3. Kaplan, B. L., Springs, A. E., & Kaminski, N. E. (2008). The profile of immune modulation by cannabidiol (CBD) involves deregulation of nuclear factor of activated T cells (NFAT). Biochemical pharmacology76(6), 726-737.
  4. Nichols, J. M., & Kaplan, B. L. (2019). Immune Responses Regulated by Cannabidiol. Cannabis and Cannabinoid Research.
  5. Weiss, L., Zeira, M., Reich, S., Har-Noy, M., Mechoulam, R., Slavin, S., & Gallily, R. (2006). Cannabidiol lowers incidence of diabetes in non-obese diabetic mice. Autoimmunity39(2), 143-151.
  6. Rieder, S. A., Chauhan, A., Singh, U., Nagarkatti, M., & Nagarkatti, P. (2010). Cannabinoid-induced apoptosis in immune cells as a pathway to immunosuppression. Immunobiology215(8), 598-605.
COMECE SEU TRATAMENTO AGORA
blank

Autor

ReMederi

A Remederi é uma empresa brasileira de saúde, com a missão de promover qualidade de vida por meio do acesso a produtos, serviços e educação sobre Cannabis medicinal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress
remederi, anvisa

A REMEDERI preza pela saúde dos seus pacientes. Ancorados na transparência e lisura, estamos evoluindo para atender todas as regras sanitárias brasileiras da ANVISA e nos adequando à Portaria 344/1998 do MS e da RDC 96/2008, RDC 327/2019 e 660/2022.