Cannabis Medicinal

O que é Canabinol, para que serve, benefícios e diferenças entre CBN e CBD

COMECE SEU TRATAMENTO AGORA

O canabinol está se tornando cada vez mais popular no Brasil. Mas, afinal, o que é o CBN?

Vamos esclarecer nesse artigo.

Talvez você ainda não saiba, mas a planta da cannabis possui cerca de 100 fitocanabinóides identificados, além de outros componentes químicos, como terpenos, flavonóides, fibras, ácidos graxos, proteínas, vitaminas e minerais.

Sabemos que os fitocanabinóides mais estudados, testados e pesquisados ​​são o canabidiol (CBD) e o tetra-hidrocanabinol (THC). As propriedades terapêuticas e os benefícios de ambos já são bem conhecidos.

O CBN é um canabinóide que vem atraindo a atenção de cientistas, pesquisadores e médicos.

Mas o que é Cannabinol (CBN)?

Apesar da quantidade muito menor de estudos e pesquisas, algumas descobertas foram feitas. O principal é o seu uso no tratamento de distúrbios relacionados ao sono.

Essa descoberta é importante porque, como veremos mais adiante, esse fitocanabinóide pode ser usado como substituto dos remédios à base de benzodiazepínicos.

A empresa especializada em idéias do consumidor, integridade da marca, rastreamento de inovação e inteligência de mercado O Brightfield Group publicou um artigo cujo conteúdo traduzimos e reproduzimos abaixo.

O canabinol, ou CBN, foi o primeiro canabinoide a ser identificado na planta de cannabis no final do século XIX. No entanto, desde então, a CBN não ganhou a mesma popularidade que THC e CBD. Ao contrário de outros canabinóides, os geneticistas da cannabis não foram capazes de criar plantas com alta potência CBN, já que o canabinol é um produto de oxidação de THC. Em outras palavras, a CBN é criada quando calor e luz são expostos ao THC, de modo que um velho frasco de cannabis deixado em um parapeito da janela conteria uma boa quantidade de CBN”.

Potenciais benefícios e usos do Canabinol – CBN

Assim como outros canabinóides menores, a CBN não foi estudada minuciosamente para uso humano.

Alguns cientistas argumentam que o canabinoide é levemente psicoativo, enquanto outros dizem que não produz tal efeito.

Dos poucos estudos preliminares, CBN pode ter antibacteriano e qualidades anti-inflamatórias e poderia potencialmente ajudar a combater o câncer, tratar a epilepsia, fornecer alívio da dor, promover a saúde óssea e tratar o glaucoma.

No entanto, a suposta capacidade da CBN de ajudar o sono tem despertado o maior interesse.

CBN e Sono

Uma série de estudos foram realizados em animais e humanos para determinar se a CBN ajuda no sono.

Enquanto alguns estudos mostraram resultados promissores, outros os contradisseram.

Quando se trata da ciência da CBN, ainda não se sabe se produz ou não efeitos sedativos por conta própria, mas a quantidade de evidências anedóticas estimulou as marcas a começar a comercializar produtos da CBN como auxílios ao sono.

Produtos notáveis incluem as gomas de blueberry da Kiva Confections com uma proporção de 5:1 THC para CBN, CBNight Water Soluble CBN Oil da CBD American Shaman e o Mary’s Medicinals The Remedy CBN:CBD tincture”.

Utilização do CBN em conjunto com o CBD (canabidiol)

O canabidiol é outro fitocanabinóide conhecido por auxiliar no tratamento de transtornos ligados à ansiedade, dentre eles, a insônia.

Assim, a combinação de CBN e CBD pode ajudar no tratamento de distúrbios relacionados ao sono. 

Neste texto publicado pelo Heath Europe, se tratou do uso em conjunto destes fitocanabinóides: 

“Apesar do CBN e do CBD serem derivados da planta do cânhamo, o CBN é conhecido por causar efeitos sedativos, enquanto o CBD causa mais efeitos relaxados. Além disso, o CBD é conhecido por suprimir levemente o apetite, enquanto o CBN pode, por outro lado, estimular o apetite.

No geral, os usos versáteis e abrangentes da cannabis ajudaram a trazer a planta para os holofotes globais. Por exemplo, uma única planta de cannabis pode ajudar pacientes com dezenas de condições médicas variadas”.

Medicamentos benzodiazepínicos

A utilização do CBN em conjunto com o CBD se mostra bastante promissora para auxiliar no tratamento de um grave problema de saúde pública (distúrbios relacionados ao sono) que faz com que muitas pessoas utilizem medicamentos benzodiazepínicos.

Este tipo de medicamento é extremamente perigoso, pois causa dependência e traz outros riscos para os seus usuários.

Neste texto demonstramos as propriedades ansiolíticas do CBD e sua utilização no tratamento da insônia.

Por sua vez, neste texto publicado pelo Portal PEBMED e intitulado “ Diretrizes de desprescrição: como suspender os benzodiazepínicos?”, podemos constatar acerca do perigo que a utilização a longo prazo deste tipo de medicamento oferece para a saúde dos seus usuários.  

“O uso prolongado de agonistas do receptor de benzodiazepínicos (ARBs), incluindo benzodiazepínicos e zolpidem, para insônia é comum no dia a dia de adultos e idosos. A efetividade desses fármacos para o tratamento de transtornos de ansiedade e insônia por curto período de tempo é apoiada literatura. Porém, o uso por um longo período não é recomendado, principalmente em idosos, devido ao risco de desenvolvimento de dependência física, psicológica, além de outros efeitos adversos (quedas, demência, sedação excessiva, acidentes automobilísticos)”.

Logo, não resta dúvida que a opção pela utilização de produto derivado de cannabis aliada a hábitos saudáveis de vida, como a prática de atividade física, se faz muito mais interessante que o uso de medicamentos benzodiazepínicos. 

COMECE SEU TRATAMENTO AGORA
blank

Autor

ReMederi

A Remederi é uma empresa brasileira de saúde, com a missão de promover qualidade de vida por meio do acesso a produtos, serviços e educação sobre Cannabis medicinal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress
remederi, anvisa

A REMEDERI preza pela saúde dos seus pacientes. Ancorados na transparência e lisura, estamos evoluindo para atender todas as regras sanitárias brasileiras da ANVISA e nos adequando à Portaria 344/1998 do MS e da RDC 96/2008, RDC 327/2019 e 660/2022.